Oi, tudo bem por aí? Espero muito que sim!

          Eu sou Eliane Santos, casada, mãe de três filhos, empreendedora digital e moro no interior de São Paulo. 

          Sou mãe atípica que sobrevivi há alguns capítulos tristes na minha história, mas graças a Deus superei e estou aqui pra te contar.

          Ser mãe atípica, não é moleza mas hoje nós vamos falar de esperança e de volta por cima.

            Como eu disse, eu tenho um filho atípico. Ele é  autista , não verbal e depende quase que completamente de mim.

             Sabe, eu não tive a sorte de conseguir fazer por ele, o que eu gostaria de fazer logo após o diagnóstico. Isso faz 14 anos.

       Posso dizer, que estou vivendo a fase que essa página está sendo virada e vou te contar como tudo aconteceu.

          Pra começo de história, quando decidi que queria uma casa cheia da alegria de crianças, levei a sério mesmo. Isso porque os meus filhos são praticamente trigêmeos. 

           Depois de um ano do meu primeiro filho, nasceu o meu casal gêmeo: o menino atípico e uma menina típica.

            Dar pra imaginar a correria? Ufa! não aconselho a nenhuma mamãe, ter filhos muito próximo, a menos que você tenha uma boa rede de apoio e não era o meu caso.

            Bom, mas o meu menino autista tinha três aninhos quando fiquei sabendo do diagnóstico. Até que reagi bem, graças a Deus.

           Você sabe que ouvir qualquer diagnóstico de algo que não tem cura, e ainda mais de um filho, não é fácil.

             Mas, quer saber? Aprendi que com a força de Deus agente vai longe. Só que chegou a hora dos tratamentos, e nessa hora minha alma começou doer.

          Tenho certeza que você assim como eu e qualquer mãe atípica, quer oferecer pros filhos todas as possibilidades de melhora, mas ninguém nos conta que existe segredos pra conseguir os atendimentos.

              Cada atipicidade, tem tratamentos diferentes e no caso do autismo, é indicado uma equipe multidisciplinar pra acompanhá-los. Mas eu não consegui durante muito tempo e fez muita falta.

              Os atendimentos públicos na minha cidade eram escassos e complicou mais ainda depois da pandemia.

          Foram muitas tentativas, muitas filas de espera e o que aconteceu foi um agravamento no diagnóstico do meu filho.

             A essa altura eu já estava emocionalmente bastante abalada. Comecei sentir meu coração acelerar muito e depois de exames, ouvi da médica que eu estava com Transtorno de Ansiedade.

              O que você faria numa hora dessas? De mãos atadas, sem poder ajudar o seu filho atípico e ainda adoecendo ? E sem falar da minha preocupação com os outros dois que precisavam também da minha atenção.

             Na vida agente tem sempre duas escolhas: a de reagir, ou a de se entregar.

             Decidi não tomar os remédios passados pela médica, porque não queria ficar sonolenta enquanto o mundo pegava fogo ao meu redor. Em vez disso, decidi focar toda a minha força e energia na procura de uma solução.

            E é por isso que eu te disse que a minha história é de esperança.

 

         Porque numa tarde, meu dois filhos típicos estavam na escola e o meu atípico estava comigo em casa. Ele deitou no chão, num terraço que tem no fundo da minha casa  e eu fiquei ali fazendo companhia pra ele.

           Nessa hora, me aconteceu a idéia de pesquisar no celular, histórias de sucesso de mães atípicas. Olha só a minha imaginação!

             É que eu não aceitava a idéia que minha vida tinha que se resumir em ver meu filho sem atendimentos, sem qualidade de vida, sem inclusão social, sem inclusão escolar, sem viver!

               Prepare-se pra surpresa. Nas minhas pesquisas  encontrei muitas mães atípicas vivendo, trabalhando, cuidando da família, ou seja, pra seus filhos tinha inclusão, qualidade de vida, passeios, viagens e muito momentos felizes. E  imediatamente eu quis saber o segredo.

              Durante os próximos dias, fiquei nesse propósito de  descobrir como ser mãe atípica e ter uma vida realizada.

          Em primeiro lugar, tive que fazer minha cabeça acreditar que era possível, e que eu conseguiria viver a vida dos meus sonhos.

             E em segundo lugar, eu teria que conseguir um trabalho.

            A primeira parte foi tranquilo, mas na segunda, encontrei os obstáculos do sistema. Quem vai empregar uma mãe com três crianças sendo um deles autista?

                E aí você me diz que tá na lei e as mães tem esse direito. Mas você já parou pra analisar que existe leis que defendem pessoas com necessidades especiais desde 1989 (7.853/1989) e mesmo assim as famílias atípicas vivem sofrendo?

 

           A verdade é que nadei, nadei e não saí do lugar. Eu não consegui trabalho, mas eu queria muito ajudar o meu filho.

              Eu não conseguia ficar vendo o trem passar e aceitar a idéia de ver a minha terceira idade chegar com um filho especial adulto e totalmente dependente.

             Fui tentar o Loas. Mas apesar de ser um direito também me negaram e por três vezes.

        A essa altura , o diagnóstico do meu filho já tinha passado de leve pra moderado, outras complicações na saúde dele começou aparecer, mas fazer o que? Eu não conseguia desistir.

           Ainda bem que eu não desisti e é por isso, que hoje estou aqui.

      Foi numa tarde abençoada, que enfim encontrei a resposta que estava procurando. Descobri umas mães atípicas que estavam muito felizes e realizadas com o trabalho que estavam realizando.

            O trabalho era o que estava faltando pra que eu me sentisse feliz e realizada. Ter um filho especial não me  deixava triste e sim não poder  dar a ele o que ele precisava e lhe fazia feliz.

             Avancei mais um pouco e descobri quem podia me dar todas as instruções que precisava, ele já tinha quase 200 mil alunos. Uau!

              Hoje estou aqui, pra dizer que se eu consegui montar meu negócio na internet, você também consegue. Tudo tem um propósito e é por isso que estou aqui hoje.

              O que as mães atípicas tem sofrido não é mole, e tem haver com solidão, falta de apoio, falta de recursos e falta de lei que funcione. E pude sentir que tudo começa a se resolver quando conquistamos nossa independência financeira.

             O mundo evoluiu mas as mães são forçadas a viverem uma tortura que é viver sem um trabalho e ver o filho precisando de recursos.

          Posso dizer que hoje tenho esperança de envelhecer em paz. Uma das preocupações das mães atípicas é com o futuro, quando a velhice chegar. 

          Então, é muito bom além de trabalhar, saber que através desse trabalho todo o seu futuro está sendo construído, desde recursos, como rede de apoio pra ajudar, isso não tem preço.

            Essa é a minha história e como disse , é de esperança. Existe esperança pra 18 milhões de mães de deficientes no Brasil. Esse foi um dado do IBGE e só de autistas, as estimativas são de 2 milhões.

             O importante é agente acreditar. Eu sei que os desafios pras mães atípicas são dobrados, mas ficar parado dói mais.

           Espero ter conseguido transmitir esperança.


Eliane Santos 


Um abraço

              

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

IMPORTANTE: Este site faz uso de cookies a fim de oferecer a melhor experiência para os seus visitantes.

Enviar mensagem
Olá 👋
Como posso te ajudar?